domingo, 24 de fevereiro de 2008

Vida sem rumo 5


“não quero ser apenas um número” Mare



Olá, meu nome não importa.
Você tem que saber apenas que hoje é um dia importante. Já vivi 284 meses. 1239 semanas. 8675 dias.
Você deve estar se perguntando o que te demais nisso, não é? Sabia. Todo mundo pensa assim. Seres inferiores.
Mas estou vivo a 288.177 horas. Já pude então, ver muitas coisas. Milhares de pessoas, de horas em frente a televisão, centenas em frente a um computador.


Perdão por não conseguir ser tão exato sobre essas informações. Os anos bissextos atrapalham a contagem. Nesses 12490665 minutos de vida, em compensação, não sei se vivi intensamente para valorizar cada um deles.
Fiz muita merda e passei muitas horas no ócio completo.


Também não sei se estou de completo errado, afinal acredito no ócio criativo um livro de um cara que não importa o nome mas escreveu 336 páginas sobre o assunto. Tenho 331 pessoas no meu orkut e 93 fãs. De amigos mesmo de verdade, colecionei nesses 284 meses de vida, aproximadamente 10. Eu sei que não é uma contagem expressiva mas , tente compreender: é maior que a quantidade de copas do mundo que eu assisti.


Agora faltam exatamente 91 dias e 12 horas para meu aniversário. Estarei mais próximo. Mais próximo de números maiores. Quem sabe um dia, depois de colecionar várias casas decimais na minha contagem de horas vividas, eu não passo a ser o primeiro?


Pensando bem, me contento até com o décimo. Mas quero números mais expressivos. Meu CPF e RG não tem nada demais. São números medianos e sem graça. No vestibular, fui um número e agora completo uma pesquisa avançada e cheia de percentagens de jovens insatisfeitos.


Já se foi tempo que jovens faziam revolução, contrastes, diferenças!
Hoje só fazemos tabelas, estatísticas e números. E a contagem regressiva para sermos cadastrados nas fichas do obituário continua.

2 comentários:

Mare disse...

Sempre desconfiei disso.
Tudo é número, até quando a gente morre, continuamos sendo números.
Ah, não. Eu não. Eu não vou ser um número.

Paty Augusto disse...

Se para mim, minha vida tiver sentido e eu fizer dela algo bom, cheio de cores e alegria ao meu redor, não me importarei com números, pois eu jamais serei apenas mais uma para aqueles que acompanham ou acompanharam minha jornada...
E prá mim, amigo Luiz, você nunca será apenas mais um, pois já registrou sua marca no meu coração, na minha alma e na minha vida!
LYTM