sábado, 27 de outubro de 2007

Abolição


Libere-se das amarras. O cadeado está frouxo e o vigia dormiu. Fujamos agora! Deixe as mágoas e os medos para trás. Libere-se por uma noite. Uma que seja. Regue-se de vinho até perder parte da sobriedade. Deixe as palavras se enrolarem de vez em quando e alguns tropeços virarem gostosas gargalhadas. Ande de madrugada e ignore solenemente os alertas por ser perigoso. Isso pode. O que não dá é esquecer como a noite é deliciosamente fria. Como os pássaros se emudecem e entra no palco, pios noturnos. Tão graves e intensos. Dê beijos. Faça carícias, perca-se nos suspiros. Sexo, minha gente, não é pecado. Preguiça, sim. O inferno está cheio é de pessoas que esqueceram de arriscar ou correr atrás dos sonhos. Aproveite o desabafo e seja mais do que é hoje. Não fique tão envolvido em rótulos, ou senão vai passar o resto da vida dentro de uma garrafa, servindo a outros quando os convir. Confie na sua voz e cante pessoas. Encante multidões. Drible sentimentos terrenos como timidez e se dê de corpo e alma aos seus atos. Deixe que a vida te toque, te alise, te deslumbre. Chore de verdade e com berros e puxões de cabelo. Conter-se para quê, se nossos olhos sempre nos denunciam? Sejamos sinceros com aqueles que nos cercam, mas principalmente conosco. Não importa se você precisa ser dois ou três, mas se importe com todos os seus eu`s. Não se destrua, se vicie. Não perca a sua essência, sua identidade. Não siga o óbvio ou o padrão se você sente que deveria estar em outro caminho. Se percebe que algo está errado, mude o mais rápido possível. Destrua o que não te agrada sem machucar terceiros. Perdoe sempre que seu orgulho quiser gritar mais alto. Mas não deixe que isso, seja uma faca espetando seu peito. Ame-se, cuide-se, viva! A vida é feita de eternidade pois nossas obras, se bem feitas, serão inesquecíveis. Ou pelo menos, durarão, enquanto existir memória e saudade essa dupla gostosa que para viver bem, precisa viver sem amarras. Pois, então, libere as suas e venha brincar conosco!

2 comentários:

dulce eugenia disse...

como é maravilhoso quando se tira as amarras...sempre há tempo...este mundo é infinito...somos levados a viver nos contentando com aquela área delimitada d'onde nascemos...mas a natureza foi feita nos mostrando que o mundo é muito maior....isto favorece nossos sonhos e até realizações...com quase meio século comecei a sentir o verdadeiro sentido de viver...mesmo tarde, estou muito feliz pois acordei para este olhar de feixes de reta sem fim... te adoro meu Drumondzinho...

Ma* disse...

era tudo que eu precisava ler no momento =)