segunda-feira, 10 de março de 2008

Quem és tu, jovem, senão a própria história?


Dizem que és calado e comedido mas no fundo és um subversivo. Pródigo e promissor no meio do maremoto de um cataclisma bárbaro. Dizem que é um conformado, mas na verdade és um sobrevivente de uma década perdida! Dizem que és um traidor da revolução mas nada mais é do que o fruto das conquistas de seus pais. Dizem que esquece de lutar pela política mas é que estás escandalizado com outros fatores. Drogas, sexo, violênica. O fim do emprego, a globalização. A sarcástica sensação de em um futuro breve mais um atentado com baixas incríveis. Dizem, jovem, que tu só olhas pro seu umbigo. Não sabem porém que isso hoje é impossível. Que a Internet traz Beatles, Hiroshima, Opus day e Radio Head como fatos atuais e contemporâneos. Seus pais reclamam de ser tão caseiro e de não ir atrás da independência. Os mesmos pais que no fim do mês choram com o excesso de contas a pagar.

Jovens, prepareis-vos pra guerra. Não a que seus avôs lutaram e morreram. Nem pouco pintando o rosto e sendo torturado como seus pais. Mas também uma guerra digna. Também pela sobrevivência. Uma guerra pelo mercado. para manter-se no mercado ou simplesmente conseguir adentrar.

Para se enfileirar nas entradas de empresas ou criar novos caminhos até o sucesso. Para ter batalhar a cada manhã no mercado e em casa. Tentar, jovens, convencer seus pais que no tempo deles as grandes empresas eram o futuro. Hoje são as pequenas ou as suas. E perder a total ou pelo menos parcial deliciosa estabilidade.


Porque agora, jovens, mais do que nunca, cada dia é feito para se provar que vós podeis continuar aonde estais.

3 comentários:

Paty Augusto disse...

Estamos vivendo tempos difíceis, onde a informação chega até nós de forma tremendamente rápida e fácil. Isso pode iludir o jovem que só se dá conta da real dificuldade de conseguir entrar no mercado de trabalho e conseguir sua independência no momento em que ele se vê ali, cara a cara com a situação. Os tempos são outros e a forma de se lutar mudou, mas temos que continuar batalhando sempre, com outras armas talvez, mas com toda garra para podermos sobreviver à Selva de Pedra...

Julia Menezes disse...

Parabéns pelos textos! Suas palavras se encaixam de maneira muito diferente. Gostei bastante do que li.

Mare disse...

"Porque agora, jovens, mais do que nunca, cada dia é feito para se provar que vós podeis continuar aonde estais."

Depois dessa frase, não há mais nada que eu possa acrescentar.

Beijo, luiz! ;*