segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Postulado poético



Escrever nunca foi um luxo, uma extravagância, um excesso. Para mim, se define como necessidade básica. É preciso se alimentar, respirar, excretar e rascunhar. Trata-se de um ato quase involuntário. E as contra capas de caderno, forros de almofada e 5 blogs estão aí pra provar esta constatação.
Antigamente, eu tinha certeza que fazia rabisco e não arte. Hoje, quando mergulho neste meu passado literário, as vezes me surpreendo com poesias de um menino tão ingênuo e criativo. Se eu pudesse conversar com aquele jovem garoto gordinho de cabelos rebeldes, eu ditaria meu postulado:
Ei, jovem! Levante e desenhe. Rascunhe um pouco mais. O que você faz é arte. E daqui há alguns anos, os extratos bancários vão tentar te dilacerar e te massificar em uma gaveta prateada de escritório. É preciso fazer arte. Viver não basta!
É preciso romper com as certezas conformistas e pessimistas. É preciso se abrir para novos horizontes. Conhecer novas regiões, beijar novas bocas (mesmo que seja da mesma pessoa, afinal sua companheira muda a cada dia) e excluir de vez o termo"eu nunca faria isso". Afinal, hoje me dizem que beijar na chuva causa gripe, que dar um abraço sincero pode ser assédio sexual e que só devemos ouvir aqueles que nos ouvem.
É preciso romper! Sair dos paradigmas que nos solificam em nossas desgraças. Somos maiores que nosso corpo e mais sagazes que nossos smart phones. Somos os nossos sonhos. Não os enclausurem em uma caixinha de coibições e inseguranças. É muito apertado e sombrio. Eu sei. Eu estava lá até agora.
Ei, jovem! Abre os olhos e veja a cada dia o novo amanhecer. Se todo dia, ele se apresenta com nuances diferentes, por que definhar em um mesmo jeito de ser?
Permita-se! E busque a felicidade na doação para o próximo. Doar-se! É incrível Tente. Arrisque. Viva como se não houvesse amanhã. Um lindo intelectual já nos disse "porque se você parar pra pensar, não há".
Ei jovem! Não esqueça seus objetivos de crtescimento, mas não perca o brilho nos olhos. Amadurecer não é endurecer.
Tornar-se responsável não é sinônimo de ser chato.
Ter cautela não significa anular riscos.
Para se encontrar na vida, não precisa se perder no sistema.
É preciso romper!

Eu dedico esse retorno ao blog para toda minha família. Família de sangue, família de amigos e sobretudo a família cinco lados que é um pouco de sangue ecompletamente de amigos.
Sobretudo a Paty Augusto, Deise Daros, Luiza Calafange e por fim, àquela que dedico este postulado, Mare Soares

Imagem de Anita Malfati, a renegada genial!

5 comentários:

Paty Augusto disse...

Que delícia de texto. Que bom poder voltar a provar desse café literário, já estava sentindo falta.
Beijos

Mare Soares disse...

Para sair do escuro, cada um tem seu tempo. Eu sei, eu sei, em momento algum eu me mostrei compreensiva contigo e respeitei seu tempo. E se fosse de novo, eu também não mostraria.
Porque o que eu vejo em você é mais do que darkness. O que eu vejo em você é esse texto que me faz sorrir.
Eu sei que encher seu saco não basta, que eu preciso fazer por mim e seguir exatamente o que esse postulado diz aí. Mas todos os dias eu acordo e vejo que não é a hora. Meu momento não é agora...
Queria saber como faz para sairmos da caixa que nos aprisiona...
Eu sei que vai ter Sol, sempre tem.. Algum dia, não hoje.
Eu sei que vai haver sorrisos, sempre tem, mas não hoje.
Eu sei que haverá abraços calorosos e muita esperança, mas, como disse, não hoje.
E o hoje parece não querer ir embora...
Mesmo assim, me satisfaço em saber que o seu hoje terminou e que finalmente o Sol brilhou para você.

Luiza Callafange disse...

Lendo o seu texto e depois a réplica da Mare, eu digo que respeito a fase dela, por mais difícil que seja. Não precisamos de tempo para sair das nosssas? Então respeitemos o tempo que cada um precisa pra sair e ver o sol brilhar. Mas quando isso acontece, ah se digo, vale a pena...
Todos nós já passamos por isso. E é maravilhoso depois que o temporal termina e o sol vem morno acalentando toda a dor e trazendo esperança e alegria. E vamos que vamos em frente!

Luiz Cezar Marinho disse...

se alegra ou deixa vcs preocupadas; se alivia ou desespera; se é o inicio ou o fim? Não sei. Mas esse texto foi escrito para um jovem que até ontem pensei que tinha passado, ido, mudado, se transformado, acinzentado, adolescido, adoecido, falecido, desencarnado, virado pó, virado lembrança. E ainda bem.... Eu estava errado.

alfacinha disse...

estou com cíumes não escrevo tão bem
cumprimentos