sábado, 11 de junho de 2011

ruiva no telefone

Ela conversava animada, enqanto as crianças brincavam. Faziam uma algazarra, gritavam, pulavam, estavam felizes.
Do outro lado, ouviamos as crianças brincando, brincando, felizes.
Mas menina ruiva nada ouvia.
As crianças que brincavam ao seu lado, eram o silêncio sepulcral de uma noite fria.
Vai ver que a menina só fingia não ouvir...
Vai ver que preferimos deixar as crianças brincarem, sem incomoda-las.
Vai ver que nem eram crianças...
Vai ver que nem estavam brincando...

4 comentários:

Um brasileiro disse...

oi. estive por aqui. tudo blz? muito legal. gostei. pareça po rla. abraços.

Luiza Callafange disse...

Até que essa ruiva pensou bastante coisa sobre as crianças mesmo ocupada! Rs

Seido Chiba disse...

Ótimo texto!
Parabéns.
http://imaginario86.blogspot.com/

Close up! disse...

Que poema tão giro!