domingo, 4 de julho de 2010

Ingerir ou inserir?


Homens de prótese, mulheres de silicone. Crianças de sorriso de ferro. Muda aqui, muda lá.
Cresce e estica isso, corta aquilo. Opera essa parte, remove esse órgão que não tem utilidade.
Pinta o cabelo, coloca o cabelo, faz cirurgia. Entope com remedios todas as veias quase virgens do corpo. Bota piercing, tatuagem, olhos cinzas. Vai no fast food e empurra a comida. Sem gosto, sem aroma, sem digestão. Converse o mínimo, beije pouco, faça sexo com qualquer pessoa.
Mude seu corpo, mude sua rotina, se venda, se estrague, se recicle.
Tirando o que é feito pela saude e deletando o que é feito por estética, orgulho ou por causa dos novos tempos, o que fica? Exatamente... Nada. É exatamente isso que vai sobrar de nós se não começarmos a mudar agora.

2 comentários:

Paty Augusto disse...

Chocante, mas verdadeiro... Vejo essa nova geração totalemte inserida nesse texto, digerindo tudo que não presta e descartando a vida como se esta não tivesse data de validade...
Realmente preocupante...

junior soares disse...

Realidade sem tirar nem acrescentar palavras!!!